NOTÍCIA

A lista dos mais de 300 empresários e empresas que desmataram a Argentina nos últimos 30 anos

A lista dos mais de 300 empresários e empresas que desmataram a Argentina nos últimos 30 anos


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A entidade ambientalista divulgou mais de 300 nomes de grandes empresários e empresas que desmataram no país nos últimos 30 anos, nos quais foram perdidos quase 8 milhões de hectares de matas nativas - área semelhante à província de Entre Ríos. Este número coloca a Argentina entre os dez países com mais desmatamento.

Greenpeace revelou o nomes de mais de 300 empresários e empresas, por ser responsável pela destruição de florestas na Argentina. Entre eles estão Eduardo Elsztain (120.000 hectares desmatados), Jorge Horacio Brito (50.000 hectares), Paolo Rocca, Eduardo Eurnekian, Marcelo Mindlin, Alejandro Carlos Roggio, Aldo Adriano Navilli, Benjamín Gabriel Romero, Franco e Mauricio Macri, Alejandro Braun Peña, Luis Caputo, Victorio Américo Gualtelari, Alfredo Olmedo, Roberto Urquía, David Lacroze Ayerza, Manuel Santos Uribelarrea, Enrique Urbano Duhau, Orlando Canido, Alberto Verra, César Raúl Mochón, Ángel Sanchís Perales, José Macera, Jorge Alberto Pocovi, John Dieter Kahlbetzer e Daniel Lifsitz. (1)

Para ler a lista de denunciados pelo Greenpeace por desmatamento na Argentina (1990-2020) Clique aqui

"Nós colocamos nome e sobrenome de alguns dos responsáveis ​​por um dos piores crimes ambientais que nosso país sofre: o desmatamento. Mais desmatamento significa mais inundações, mais despejos de comunidades camponesas e indígenas, mais desaparecimento de espécies ameaçadas de extinção e mais doenças ”, alertou Hernán Giardini, coordenador da campanha Florestas do Greenpeace.

o perda de florestas ocorre principalmente devido ao avanço da fronteira agrícola (soja e pecuária). De acordo com relatórios da organização e dados oficiais, 80% das clareiras do país estão concentradas nas províncias de Santiago del Estero, Salta, Chaco e Formosa e continuam apesar da quarentena.

“É totalmente inaceitável que, diante da emergência de saúde, clima e biodiversidade que estamos sofrendo, o desmatamento continue. Os governos devem acabar com a ambição destrutiva de alguns empresários ”, Giardini afirmou. “Destruir florestas é crime e não podemos perder mais um hectare”.

A organização ambiental está promovendo um pedido no seu site para que os governadores de Salta, Santiago del Estero, Chaco e Formosa decretam a emergência florestal para parar o desmatamento para sempre. (2)

Notas:

1) Ler a lista dos denunciados pelo Greenpeace como sendo os que desmataram na Argentina (1990-2020) Clique aqui

2) https://pages.greenpeace.org.ar/deforestacioncero

3) RELATÓRIO: O sacrifício das florestas do Gran Chaco


Vídeo: Multinacionais estudam migrar da Argentina para o Brasil (Novembro 2022).